10/08/2013

RECEPTORES DE RADIOFREQUÊNCIA.

 


ELETRÔNICA VOL. 2 - ELETRÔNICA ANALÓGICA.

VU DE LEDS BARGRAPH.


Este efeito de luz aciona um conjunto de leds com um ritmo musica numa espécie de bargraph e ao mesmo tempo faz  com que as barras também corram, cuja velocidade, pode ser ajustada por um controle externo (P2) (figura).
O circuito é ligado a uma saída de amplificador de áudio (em paralelo com o alto-falante) e tem sua sensibilidade ajustada por P1.Os transistores Q1 e Q2 amplificam o sinal e aplicam a uma rede de escalonamento de diodos para acionamento posterior da 5 transistores que tem como carga as filas de leds.
Já o 55, fornece um trem de pulsos para o corrimento aplicados num 4017 que faz o acionamento das filas que devem acender.
Os transistores são todos comuns, bem como, os integrados e os leds são vermelhos para maior uniformidade de efeito. A alimentação com 12V permite que o aparelho seja usado no carro.
Para usar apenas 8 filas de leds, o pino 9 do 4017 deve ser ligado ao 15.
Sem está ligação podemos ampliar o sistema com 10 filas de leds.


Luz de emergência simples.



Muitos circuitos de luz emergências se caracterizam pela grandeza de quantidade de componente, como , transistores, resistores e capacitores que os encarece bastante.
Este circuito é muito mais simples e não faz uso de tantos componentes especiais, Observe o leitor pelo diagrama apresentado que o circuito faz uso de alguns componentes básicos e de baixo custo, como uma ponte de diodos, bateria de automóvel e também um réle.
O capacitor de 2 uF deve ser de poliéster com uma tensão de isolamento de 400 V se a rede for 110 V e 600 V caso a rede seja 220 V.
A lâmpada pode ser qualquer uma de 12 V e o réle de 12 V. O zener é de 12 V com 400 mW ou mesmo 1 W.
A bateria permanece em constante recarga enquanto há energia na rede e o consumo é muito baixo, da ordem de alguns miliamperes, levando-se em consideração que a lâmpada fica constantemente desligada. Quando a energia é cortada o réle comuta e fornece energia a luz de emergência (lâmpada). O circuito pode ser alimentada em rede de 110 V ou 220 V.

Repelente eletrônico.

Este circuito emite um som contínuo que repelem determinados insetos, como por exemplo, pernilongos (muriçocas) .
A tensão de alimentação pode ser de 6 a 12 V com pilhas ou bateria e o consumo estará entre 5,5 e 10 mA. A freqüência gerada está entre 4 e 9 kHz, e o fone usado como transdutor e o tipo headphone agenda ou equivalente.
A chave S2 selecione o tom conforme a intensidade. Os capacitores C1, C2 e C3 são de poliéster. A freqüência é ajustada pelo trim-pot P1. e depende de experiências praticas no sentido de se obterem os melhores resultados. O principio de operação está no fato que as fêmeas dos mosquitos (que picam) não suportam a freqüências de outras fêmeas, se afastando e o circuito produz justamente o ruído de bater de asas de outra fêmea.
O LED usado serve para monitorar o funcionamento e ajudar a localizar o aparelho durante a noite quando ele estiver ligado.



Transmissor de FM e VHF.

Embora o transistor BD135 não seja destinado especificamente para aplicações em RF, alguns deles podem oscilar facilmente em freqüências que superam os 100 MHz. Um exemplo disso é este circuito que pode fornecer uma boa potência na faixa de FM. O choque de RF consiste em 80 a 100 espiras de fio 32 AWG (ou mais fino) num bastão de Ferri te de 4 a 5 cm de comprimento e 1/2 cm de diâmetro. 
     Este choque também pode ser encontrado pronto no comércio especializado.As bobinas são enroladas com fio 22 AWGcom 1/2 cm de diâmetro sem núcleo. L1 (antena) é formada por 8 espiras e L2 (osciladora) por 3 a 4 espiras. O transistor deve ser montado num dissipador de calor e a antena consiste num pedaço de 30 a 40 cm de fio rígido, ou ainda uma antena apropriada para a faixa de ondas a ser transmitida.
A fonte deve ter excelente filtragem e os fios de sinais precisam ser blindados para que não ocorram ruídos. Os capacitores menores que devem ser obrigatoriamente cerâmicos.