17/02/2013

Violão sem Fio.


Transmissor de FM sem alimentação.

Este projeto utiliza parte do próprio sinal de áudio de entrada para alimentar o circuito do transmissor de baixa potência. O sinal é retificado e usado para alimentar o circuito que tem um alcance da ordem de algumas dezenas de metros. A potência de entrada de áudio deve ser de pelo menos 1 W para se obter a energia necessária para a alimentação do circuito. Uma boa qualidade de áudio é conseguida graças à modulação por varicap.
O transformador empregado é do tipo miniatura e o ajuste do funcionamento (modulação) é feito num trimpot. Para amplificadores com potências elevadas, acima de 5 W, deve ser intercalado em série com a entrada um resistor de valor apropriado. Os capacitores do transmissor precisam ser cerâmicos e a bobina formada por 4 espiras de fio 22 a 18 AWG, em forma de 1 cm de diâmetro sem núcleo. A antena pode ser telescópica ou de outro tipo, com até 40 cm de comprimento. O transistor admite equivalentes como o BF494 ou BF495.


Transmissor de FM e VHF.


Embora o transistor BD1 35 não seja destinado especificamente para aplicações em RF, alguns deles podem oscilar facilmente em freqüências que superam os 100 MHz. Um exemplo disso é este circuito que pode fornecer uma boa potência na faixa de FM. O choque de RF consiste em 80 a 100 espiras de fio 32 AWG (ou mais fino) num bastão de Ferri te de 4 a 5 cm de comprimento e 1/2 cm de diâmetro. Este choque também pode ser encontrado pronto no comércio especializado.As bobinas são enroladas com fio 22 AWGcom 1/2 cm de diâmetro sem núcleo. L1 (antena) é formada por 8 espiras e L2 (osciladora) por 3 a 4 espiras. O transistor deve ser montado num dissipador de calor e a antena consiste num pedaço de 30 a 40 cm de fio rígido, ou ainda uma antena apropriada para a faixa de ondas a ser transmitida.
A fonte deve ter excelente filtragem e os fios de sinais precisam ser blindados para que não ocorram ruídos. Os capacitores menores que 1 i.uF devem ser obrigatoriamente cerâmicos.


Porteiro Eletrônico e Campainha.


Este circuito que serve como porteiro eletrônico e campainha, têm uma construção relativamente simples. Foi utilizado um circuito integrado TDA2003 por ter uma excelente potência para essa aplicação e exigir poucos componentes externos.
A chave 2p x 2p de pressão (com retorno automático) é usada para a comunicação com o outro lado. Ela deve ser pressionada para se falar e solta para se ouvir. Para a campainha foi utilizada uma sirene de 12 V alimentada por uma fonte de mesma tensão. Para acioná-la, basta pressionar o interruptor de pressão. Para a fiação foi empregado um cabo tri polar, por ser mais prático, e neste caso foram usados dois fios para o alto-falante e um outro para o neutro da fonte. O sistema foi instalado na caixa de entrada da rede elétrica da residência onde o protótipo funciona. Na figura 1 temos o diagrama completo do projeto.

Subwoofer para Home Theater.


Este circuito é destinado às pessoas que possuem um televisor com saídas de som e desejam uma reprodução dos sons graves com alta potência, como nos sistemas de Home Thea ter. A maioria dos receptores que existem no mercado pos suem apenas uma saída de linha para subwoofer e não amplificada como os outros canais do retiver. Por outro lado, os poucos recai veras que têm uma saída de subwoofer amplificada não possuem uma performance ideal, pois são geralmente de potência baixa. Há alguns subwoofers chamados “ativos”, que são caixas amplificadas que só reproduzem os sons graves. Suas per formasses são boas, porém seus preços são muito altos.
Por esse motivo, o autor sugere este projeto de um subwoofer ativo que consiste em um pré-amplificador de ganho ajustável acoplado a um filtro passa-baixos de 12 dB/oitava Butterworth, que irá excitar a entrada de um amplificador de áudio com 120W um de potência. uma melhor ,performance, o amplificador deve ser montado em um dissipador de calor e ligado a um bom alto-falante de graves como, por exemplo, o JBL ou Clestion de 15 polegadas. Todo o circuito deve ser montado dentro da própria caixa de som que deve conter apenas o alto-falante de graves, uma vez que ele se destina apenas à reprodução desta faixa de baixas freqüências de áudio.


Alarme Residencial Simples.



Quando o sensor ligado aos pontos A e B é ativado, retirando o aterramento da base de Q1 e com isso levando este componente à saturação, o mono estável formado por ci é disparado. Este mono estável controla o tempo de disparo do relé K1 através de Q2. O tempo obtido com um resistor de 100 kohms e um capacitor de 470 1jF é da ordem de 1 minuto, mas usando um resistor de 1 Mohms, chega aos 10 minutos.
O resistor R4 em conjunto com o capacitor C2, ligados ao pino 4 do 555 garante o reze automático do circuito, evitando que ele seja disparado ao se acionadas a alimentação. A chave que liga e desliga o circuito pode ser instalada em local escondido para ativação e desativação do alarme. Os sensores podem ser do tiporeed sketch, micro switches ou outros. Diversos sensores podem ser ligados em série para a proteção de pontos diferentes de uma residência ou outro local. Na figura 1 temos o diagramado alarme. Na figura 2 temos uma sugestão de placa de circuito impresso para sua montagem.

Alarme de Passagem.


O alarme de passagem que apresentamos usa como sensor um emissor infravermelho (IR). Ao cortar o feixe, o sensor envia um pulso negativo à entrada do Cl 555 (pino 2), disparando-o. Em conseqüência, a saída do Cl envia um pulso para os acopladores ópticos 4N25 e MOOC 3010. Ra. e Ca determinam o tempo em que a saída ficará acionada. S1 é uma chave do tipo HH onde temos dois pontos de acionamento para a sirene: um intermitente na posição A e outro contínuo na posição B.
Outro tipo de aviso é o visual formado pelo acoplador óptico MOC3O1 O que acionará uma lâmpada incandescente, a qual piscará numa freqüência de 3 vezes por segundo. Essa freqüência é determinada pelo LED pisca-pisca que está em série com o pino 1 do MOC3O1O. Para usar o circuito na rede de 220 V deve-se trocar o MOC3O1 O pelo M0C3020 e o T1C226B pelo T1C226D. Se a carga for maior do que 100 W, o T1C226 deverá ser dotado de um radiador de calor.


Transmissor de FM de 4 W.


O transmissor apresentado não tem nenhuma configuração fora do convencional, mas com os valores dimensionados, consegue-se uma potência de saída da ordem de uns 4 watts, o que é suficiente para um alcance de muitos quilômetros, dependendo apenas da antena (e observando-se as restrições legais para a operação desse tipo de equipamento).
As bobinas têm as seguintes especificações:
L1 – 4 espiras de fio 12 em forma de 1 cm
L2 – 5 espiras de fio 12 em forma de 1 cm
L3 – 6 espiras de fio 12 em forma de 1 cm
L4 – 7 espiras de fio 12 em forma de 1,5 cm
Ajuste: coloque no lugar da antena uma lâmpada de 12V x 4W ligada à saída.
Ligue nas proximidades um receptor ligado em torno de 100,1 MHz e ajuste L1 para sintonizar o sinal. Depois ajuste os tremeres de CT1 a CT4 e L4 para obter o maior brilho da lâmpada. No artigo damos uma sugestão de antena. Recomenda-se usar bateria de carro para alimentação para se evitar roncos da fonte.O circuito aceitamos doadores estéreo para essa modalidade de transmissão. Os transistores 2N3553 devem ser dotados de radiadores de calor, pois operam em alta temperatura. Nunca ligue o transmissor sem ter uma carga na saída ou antena, pois isso pode causar a queima dos transistores. Os tremeres são comuns de 27 a 30 pf aproximadamente e os choques de RF podem ser do tipo comercial.